Se você imaginava que estava conquistando corações e mentes oferecendo ajuda a seus colegas, pode ter se equivocado. Pesquisa realizada pela Michigan State University mostrou que, quando se trata de oferecer seus préstimos no ambiente profissional, o melhor é não tomar a iniciativa, e sim esperar um pedido nesse sentido. De acordo com o professor Russell Johnson, que se dedicou a estudar como as pessoas se engajavam em auxiliar outras no trabalho e como isso era percebido, “o melhor é cada um ficar na sua raia da piscina”, ou seja, não estenda a mão se não foi solicitado. A análise foi publicada no “Journal of Applied Psychology”.

Ele explica que, apesar da ênfase na produtividade no mundo corporativo e de todo o estresse gerado por conta dessa pressão, há dois tipos de ajuda que são recebidas de formas distintas. A primeira é aquela proativa, na qual você toma a dianteira e se oferece para resolver o problema. A segunda é a reativa, que depende de um pedido do colega. “O que descobrimos”, afirmou Johnson, “é que, quando alguém sai na frente oferecendo auxílio, nem sempre sabe exatamente do que a outra pessoa precisa. Isso interfere no resultado final e acaba diminuindo o sentimento de gratidão. Além disso, se alguém está sempre perguntando se o outro precisa de ajuda, isso pode afetar a autoestima daquele indivíduo, levando-o a questionar sua competência e habilidades para se manter naquele emprego”.

O pesquisador entrevistou empregados entre 21 e 60 anos, que trabalhavam em diferentes segmentos, como indústria, educação, saúde e governo. Constatou que os efeitos adversos de tomar a iniciativa de ajudar podem ser negativos inclusive para o “bom samaritano”: “o fato de sua ação não ter sido devidamente apreciada, ou gerar um reconhecimento aquém do esperado, faz com que a pessoa se sinta menos motivada, o que também é ruim para sua produtividade”. Johnson pretende se aprofundar no tema e estudar o impacto da colaboração no clima organizacional. E deixa dois conselhos baseados em seu levantamento: cuide de suas tarefas e espere um pedido para só então estender a mão a quem precisa; e, no caso de ter sido beneficiado com a ajuda de alguém, expresse sua gratidão o quanto antes. Não deixe para se manifestar depois, as palavras não terão o mesmo significado.

CONTINUAR LENDO
1 0