Reconheço que essa é uma resolução difícil, mas uma coisa que aprendemos assim que ingressamos no mundo corporativo é que vamos lidar com muitas pessoas com as quais não temos qualquer afinidade. Mesmo que você tenha a certeza de que seu santo não bateu com o daquele indivíduo, comece a trabalhar para aparar as arestas e tornar essa convivência a mais harmoniosa – ou menos traumática – possível. O primeiro passo, depois de aceitar que tem uma missão pela frente, é se dar conta de que interagir com os outros sempre é fonte de aprendizado, mesmo que o relacionamento não seja fácil. Investigue as causas da tensão e, principalmente, qual é o seu papel nisso. Se não temos o poder de controlar os eventos, pelo menos podemos fazer isso em relação às nossas reações.

A segunda etapa é dura, mas vale a pena: ponha-se no lugar do outro, tente enxergar pela sua perspectiva. Com algumas pouquíssimas exceções, pouca gente acorda todo dia com a disposição de infernizar sua jornada de trabalho. Algumas perguntas para se fazer: por que a pessoa tem esse comportamento? Quais são seus objetivos e será que são tão diferentes dos meus? Como ela me vê e o que espera de mim? E, já que está às voltas com tantas questões, faça perguntas a seu “desafeto”. Ouvir com atenção o que ele tem a dizer pode desfazer mitos que você criou e abrir as portas para o entendimento.

O terceiro passo é concentrar esforços para resolver problemas, portanto não assuma o papel de crítico ou competidor. Uma boa tática para melhorar o clima de colaboração é trazer a pessoa para o jogo e pedir sua ajuda, mostrando que assim vocês terão mais chance de sucesso no ambiente profissional. Quando constrói essa ponte, está reconhecendo o valor do outro e se conectando com ele. A quarta providência é conhecer melhor seu próprio estilo nas relações interpessoais. Em vez de culpar a falta de química com seus colegas, embarque numa viagem de autoconhecimento para detectar quais são os gatilhos que provocam uma mudança em seu comportamento e um sentimento de animosidade. É bastante trabalho, por isso mesmo também é uma boa resolução para 2019. Na semana que vem, uma nova promessa de Ano Novo que pode ser bastante positiva para sua vida.

CONTINUAR LENDO
1 0