“Você me desculpe, mas será que não seria melhor se…”. Complete a frase como quiser, o importante é como ela começa: com um pedido de desculpa e o verbo no condicional, como se o que estivesse sendo dito não fosse suficientemente relevante e merecesse ressalvas. Por último e o mais importante de tudo: essa é a forma como grande parte das mulheres tenta defender seus pontos de vista no mundo corporativo.

De saída, desculpar-se mina a autoridade de quem fala. E não ajuda em nada a difícil tarefa de conquistar a confiança dos interlocutores. Pior: abre espaço para que uma outra pessoa – normalmente, um homem – intervenha com algo do tipo: “o que ela está querendo dizer…”. Trata-se de uma variante do chamado “mansplaining”, uma junção das palavras man (homem) e explain (explicar). No mansplaining clássico, o homem parte do princípio que a mulher não entende nada do assunto e recorre a uma versão simplificada do tema para sua parceira. No entanto, ele também pode interromper porque acha que a explicação que a colega de trabalho está dando não é adequada e se apropria do discurso.

Ninguém precisa se desculpar porque não concorda com um ponto de vista. A expressão pode inclusive se tornar uma espécie de muleta utilizada a torto e a direito: “me desculpe, pode repetir o que você disse?” (por que não usar um simples “por favor”?); ou “me desculpe, mas minha agenda está cheia esta semana” (um “infelizmente” seria atencioso e daria conta do recado). Quem introjetou esse tipo de “culpa” corre o risco de em breve estar pedindo perdão por se manifestar contra uma injustiça; ou por pedir um aumento merecido; ou até por sofrer uma agressão.

Experimente reformatar seu discurso lembrando que, ao contrário do que você imagina, ele não atrai simpatia ou condescendência. Ser breve e direta (ou direto, porque também há homens que se sentem presos nessa armadilha) é a melhor maneira de apresentar uma opinião ou resolver um problema. Não peça perdão por coisas que não pode controlar, como o cancelamento de uma reunião por razões alheias à sua vontade. Guarde o pedido de desculpas para quando ele realmente se aplicar.

 

CONTINUAR LENDO
1 0