Recentemente eu e minha esposa fizemos um plano de previdência privada Brasilprev para meu filho Vitor, que fará sete anos no dia 20/10. Minha gerente do BB preparou um plano PGBL para ele em janeiro de 2013, no intuito de aproveitar o benefício da dedução dos valores aplicados no PGBL no IRPF de minha esposa, que é assalariada e opta pela declaração completa. No entanto, como minha esposa já possui seu próprio plano de previdência privada, com 50% de participação do empregador, não foi possível utilizar no IRPF dela valor proveniente das contribuições relativas ao plano do Vitor, por ultrapassar o teto. Com isso, temos hoje um PGBL em nome do meu filho, que é dependente de minha esposa, que não usufrui das vantagens desse PGBL. O que devo fazer, visto que já fiz um aporte de R$ 7.500,00 em seu plano? Não podemos migrar para o VGBL? Se retirarmos esse recurso e fecharmos o plano teríamos prejuízo? A minha preocupação é se devo ou não fazer outro plano VGBL para ele.
Por Bruany Bianchi
 
O Superintendente de Produtos da Brasilprev, Sandro Bonfim diz que se realmente não há possibilidade de utilização do benefício fiscal oferecido pelo plano PGBL,a melhor opção é adquirir um VGBL. No entanto, não é possível a utilização do mecanismo de portabilidade (migração) entre PGBL e VGBL. Quanto ao resgate você deve analisar alguns pontos.
  • O regime tributário que foi escolhido
  • A taxa de carregamento de saída do plano. Confira aqui uma relação das taxas de carregamento e administração do seu banco e dos demais.
  • De qualquer forma, você deve evitar o resgate pois um plano de previdência é um investimento de médio e longo prazo. Nesse contexto Sandro Bonfim observa alguns pontos:
  • Você pode interromper os aportes no PGBL e aguardar para outro projeto que vier. Nesse caso, a reserva acumulada no PGBL, que continuará sendo remunerada pela rentabilidade do fundo,poderá ser acessada na data de realização do projeto na forma de renda ou através de resgate total ou parciais.
Outra maneira é você adquirir um plano VGBL e continuar a contribuir para assim não interromper o projeto do seu filho.