Devo cerca de R$ 14 mil no cartão de crédito há mais ou menos 1 ano, e não tenho condições de pagar. Hoje recebi uma notificação extrajudicial de uma empresa credora, devo ficar mais preocupado? Ainda tenho algum tempo? O que eles realmente podem fazer comigo?

Por Danylo Martins

O que pode acontecer é seu nome ser negativado nos órgãos de proteção ao crédito, como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) ou Serasa. De acordo com Renata Pedro, técnica da Proteste Associacão de Consumidores, o nome fica sujo e não é possível acessar outros créditos.

A recomendação dela, para que isso não aconteça, é buscar uma negociação da dívida com a administradora do cartão. "Nessa tentativa, é importante indicar quanto ele consegue pagar e se mostrar aberto a acabar com o débito", explica.

Segundo o Procon, outro órgão de defesa do consumidor, a tentativa da negociação é um passo bem importante. Em nota, o órgão diz que é fundamental fazer um contrato por escrito que mostre todos os detalhes dessa negociação. Não vale a pena fazer o acordo verbalmente porque a prova física ajuda a comprovar o que foi acordado entre você e a empresa que administra o cartão.

Vale trocar dívida do cartão por uma mais barata

Para o professor de finanças da Fipecafi, Mário Amigo, negociar é uma medida muito boa. Mas ele diz que vale a pena também buscar linhas de crédito mais baratas, como o empréstimo pessoal ou o crédito consignado (voltado para servidores públicos, pensionistas do INSS ou funcionários cujas empresas tenham acordo com o banco). "Se ele tiver condições, a troca da dívida cara por uma mais barata vale muito a pena", diz.

O professor lembra, ainda, da importância de reduzir custos, mesmo que seja feito um acordo. "Ele precisa tentar de alguma maneira cortar gastos para acabar logo com essa dívida."

Pela Calculadora do Cidadão, disponível aqui, é possível comparar o Custo Efetivo Total (CET) das diferentes modalidades de crédito. Vale a pena fazer uma simulação.

 

 
 
CONTINUAR LENDO