A fórmula 85/95, aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente semana passada, é uma meia boa notícia.

Não resolve o problema da insustentabilidade da Previdência Social que vai exigir, mais adiante, um novo arranjo econômico para dar conta do envelhecimento da população brasileira.

Mas do ponto de vista estritamente individual, pode se tornar um aliado no planejamento da aposentadoria, diz o atuário Cesar Luiz Danieli, diretor de Previdência, Saúde e Seguros da Gama Consultoria.

“É um sistema de mais fácil compreensão por parte da população que poderá se programar melhor, sabendo exatamente quando vai poder se aposentar”, diz Cesar Danieli.

Pela nova fórmula, um trabalhador que começa a contribuir com o INSS aos 18 anos, terá cumprido com os requisitos para aposentadoria quando atingir a idade de 56 anos e meio pois terá contribuído por 38 anos e meio. Nesse momento, pelas novas regras ele poderá se aposentar com o valor integral.

Antes da lei, nas mesmas condições – início de contribuição aos 18 e aposentadoria pelo INSS aos 56,5 anos –, só receberia 84,5% do valor a que teria direito. Isso porque, sobre o cálculo do valor, que leva em consideração a média das maiores contribuições, incidiria o efeito do fator previdenciário.

A fórmula 85/95 vale até 2019 quando será acrescentado um ponto (86/96) a cada ano até chegar a 90/100 em 2027. Então aproveite para fazer suas contas.

Se já completou 85/95 somando a idade com o tempo de contribuição, marque um horário em alguma agência da Previdência Social através do site ou do telefone 135 para saber exatamente quanto você tem a receber e dar entrada no pedido. 
 

CONTINUAR LENDO
1 0