Ninguém (ou quase ninguém!) compra um imóvel da noite pro dia. Você vai, pesquisa, barganha, tenta encontrar o melhor preço de todo jeito. Tá certinho. Mas se você não fizer isso com o seu financiamento, vai acabar pagando bem mais caro do que gostaria pelo imóvel.

Detesto vir aqui dar notícia ruim. Mas pra quem tá atrás de um imóvel usado, esse financiamento está, sim, mais caro. É que, na Linha Pró-Cotista – cujas taxas estão entre as mais baixas do mercado – o valor reservado aos imóveis usados já acabou. Ou seja: daqui pra frente quem for procurar financiamento por essa linha, só vai conseguir para imóvel novo.

A Caixa Econômica Federal alega que já emprestou aos clientes todo o limite reservado para o financiamento de imóveis usados. O valor para 2018 era de R$ 1,4 bilhão. “A modalidade encontra-se suspensa para novas prospecções e o orçamento atualmente disponível está destinado para as propostas em andamento”, diz a nota da Caixa. No Banco do Brasil, os recursos dessa mesma linha destinados aos imóveis usados também já se esgotaram.

A linha pró-cotista tem taxa de juros a partir de 7,85% ao ano. Ela usa recursos do FGTS e tem o crédito mais barato depois do Minha Casa Minha Vida. Mas enquanto o Minha Casa aceita só famílias de baixa renda, o pró cotista não faz essa distinção.

A pró cotista é destinada aos trabalhadores que têm conta ativa no FGTS há pelo menos três anos ou têm uma conta inativa com saldo equivalente a 10% do valor do imóvel. É possível financiar imóveis de até 950 mil reais em MG, SP, RJ ou DF. No restante do país, o valor máximo é de 800 mil reais.

 

Sem essa linha disponível para imóveis usados, o que fazer?

Olha, se o seu objetivo é mesmo comprar um imóvel usado e você consegue esperar um pouco, é melhor mesmo dar um tempo. “Se você se enquadra nas obrigações do pró cotista, vale a pena esperar até janeiro pra ver o que vai dar. Porque a pró cotista é uma linha bem mais em conta do que as demais”, explica Alberto Ajzenta professor de economia PEC-FGV.

Agora, se a sua urgência não permite esperar, você vai pagar um pouco mais caro porque as próximas linhas, como a do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) já tem juros mais altos. Na Caixa, por exemplo, a taxa do SFH é a partir de 9% + TR.

Cada instituição tem um ponto inicial para essas taxas em cada linha.

E por isso que é preciso pesquisar e… ter paciência. “Se o cliente quer financiar um imóvel novo, o banco tem o maior interesse em ser rápido. Afinal, ele está financiando a obra também. Ele quer arrumar um dono para aquele apartamento. Já para financiar imóvel usado o cliente entra numa fila de espera. Tem que ficar ligando, enchendo a caixa de e-mail do gerente. Tem que ter perseverança. Se o cliente está com a documentação e todas as exigências regulatórias em dia ele tem que correr atrás pra não perder o negócio”, orienta Ricardo Rocha, professor de finanças do Insper.

 

CONTINUAR LENDO
1 0