Neste ano, 58% dos consumidores revelaram ter o desejo de comprar algo na Black Friday, celebrada na próxima sexta-feira, dia 23 de novembro. A pesquisa, feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostra um aumento expressivo em relação ao ano passado, quando 40% dos clientes disseram ter essa mesma intenção.

O estudo mostra ainda que 32% dos consumidores só devem ir às compras caso encontrem boas ofertas. E uma parcela pequena (10%) não pretende comprar nada.

Entre os que pensam em comprar de olho nos descontos, 70% consideram a data uma oportunidade para encontrar preços mais baixos. Cerca de 30% querem antecipar os presentes de Natal, enquanto 12% planejam aproveitar as ofertas mesmo sem ter a necessidade de comprar algo no momento. Mas, cuidado! Puxão de orelha do Letras & Lucros: nada de comprar por impulso e depois ficar com dívidas no fim de ano.

Ticket médio alto: 30% dos clientes estão de olho em um celular novo

Os consumidores devem comprar, em média, três produtos e desembolsar R$ 1.145,75. As roupas lideram a lista de desejos dos consumidores (38%) — um aumento de dez pontos percentuais na comparação com 2017. Os calçados vêm logo depois (32%) e  celulares ficam com a terceira posição (30%). Depois aparecem os eletrônicos (25%) e os eletrodomésticos (24%).

A pesquisa também indica os principais locais onde os brasileiros vão fazer as compras. A maioria (66%) vai atrás de sites e aplicativos de lojas nacionais. Na sequência, vêm os shopping centers, as lojas de rua e os supermercados, mencionados por 39% dos entrevistados. Fique atento à lista do Procon com as lojas que devem ser evitadas. Veja aqui  

O estudo também mostrou algo que dá orgulho à equipe do Letras & Lucros: 95% fazem pesquisa de preços antes de comprar. É isso aí! Só assim pra garantir um bom negócio.

Veja como não cair em uma armadilha na Black Friday

16% das lojas do país devem participar da Black Friday

 

CONTINUAR LENDO
1 0