Se você é autônomo, observe estes passos na hora de planejar sua vida fiscal:

1- Você recebe como pessoa física ou jurídica?

É necessário saber quais as suas fontes pagadoras aceitam contratar os serviços como pessoa jurídica e como pessoa física. O ideal é que exista um mix das duas formas para que você tenha maior eficiência tributária.

2- Quais são as deduções que você tem direito como pessoa física?

Essas informações você consegue no site da Receita Federal. Observe que como profissional liberal você poderá incluir seu livro caixa, onde estarão relacionados todos os custos que tem para exercer sua atividade. Gastos com participação em congressos, por exemplo, inclusive a viagem e hospedagem, devem estar neste livro caixa e podem ser deduzidos.

Observe, contudo, que para a Receita Federal as despesas profissionais são aquelas que se extinguem no prazo de um ano. Assim, se você compra um ar condicionado para seu consultório essa despesa não pode entrar no livro caixa. No entanto, os gastos com manutenção do aparelho podem entrar.

3-  Canalize agora toda a sua receita como pessoa física até o limite das suas deduções e o restante receba como pessoa jurídica

Depois de fazer uma análise cuidadosa desses dois passos anteriores e se concluir que tem fontes pagadores nos dois modelos e ainda que tem um bom montante de despesas dedutíveis, chegou a hora de dividir a sua receita entre Pessoa Física e Jurídica.

Veja a seguir as tabelas com simulações feitas a partir de um caso real analisado pela TGL Contábil e observe a economia de impostos. Para uma renda anual de R$ 300 mil, a economia com impostos chega cerca de 50%.

Confira o especial de Imposto de Renda 

CONTINUAR LENDO
1 0