A torcida é grande para que as vendas de Natal sejam um sucesso em 2016. Mas o cenário macroeconômico aconselha cautela.

Fábio Astrauskas, CEO da Consultoria Siegen e Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, fazem uma lista de medidas que devem ser seguidas para se prevenir no caso de frustração de receitas:

  • Financiamento – Se não foi possível fazer uma provisão para as despesas mais altas do fim de ano, como o décimo terceiro salário dos empregados, a saída será tomar um empréstimo;
  • Bancos – Não espere para ver se tem ou não crédito disponível. Converse já com o gerente para deixar uma linha à disposição em caso de necessidade.
  • Renegociação – Se não for possível tirar um empréstimo no sistema bancário, uma alternativa é renegociar o pagamento das despesas, mesmo as salariais, nesse caso em acordo com os sindicatos;
  • Pente fino – Analise com rigor o prazo de pagamento dos pedidos: dar mais prazo para o cliente pagar aumenta a possibilidade de vendas, mas também eleva o risco de inadimplência;
  • Recebíveis – Uma antecipação de recebíveis através de fundos de investimentos especializados (FIDC) e empresas de factoring pode ser uma alternativa interessante de crédito.
  • Soluções – Apresente soluções para o cliente que está sem dinheiro: itens mais baratos ou menores, bem embalados, por exemplo. Isso vai fazer o cliente se lembrar de você quando as coisas melhorarem;
  • Gestão profissional – Monitorar estoques com base em “achômetro” ou em “feeling” é complicado. Profissionalize a gestão de sua empresa.
  • Cursos – Invista em capacitação gerencial. Há cursos gratuitos do Sebrae (presenciais e à distância) para aprender a administrar todos os fatores que garantem a vida e o sucesso do negócio

 

Foto: Pixabay

CONTINUAR LENDO
1 0