Com o programa federal de crédito estudantil (Fies) mais caro e restrito, tomar empréstimo nos bancos privados para pagar a faculdade ganhou importância como alternativa –  não tão generosa quanto a do governo, mas em condições melhores que a média dos empréstimos no país.

Existe hoje uma dezena de programas privados de crédito estudantil administrados por bancos e instituições de ensino que, embora mais caros, não têm as restrições do Fies.

Um dos maiores é o Pravaler, um programa que opera com 200 universidades em todos os estados e já emprestou dinheiro para 50 mil alunos desde 2006. Segundo Rafael Baddini, diretor de marketing da Ideal Invest, companhia gestora do Pravaler, os financiamentos são calculados por semestre.

Cada semestre é pago em 12 parcelas, então o primeiro semestre será pago do primeiro ao 12º mês do ano letivo. Para o segundo semestre há uma carência de seis meses, de forma que começa a ser pago no 13º mês – ou seja, no início do terceiro trimestre – e será pago até o 24º mês. E assim sucessivamente. “Dessa forma, um curso de quatro anos será pago em oito anos”, resume Baddini.

O prazo total será maior no caso de financiamentos com juros. Das 200 instituições parceiras do Pravaler, 43% subsidiam 100% dos juros e o aluno paga apenas o principal da dívida. A maioria delas (57%) subsidia apenas parte dos juros. Os pagamentos são feitos à Pravaler que por sua vez é quem quita a dívida do aluno com a instituição de ensino. O site da empresa possui uma área para simulação.

CONTINUAR LENDO
1 0