No podcast desta semana vamos falar sobre dois assuntos que foram destaque no universo das moedas virtuais. Por aqui temos a notícia de uma aplicação da tecnologia blockchain, que seria o sistema de compensação do Bitcoin, pelo BNDES. Na quinta-feira (22), o banco de fomento disse à Reuters que vai lançar sua própria moeda virtual para pagar fornecedores e rastrear seus empréstimos eletronicamente.

A criptomoeda chamada Trubudget vai funcionar em uma plataforma similar ao blockchain, que foi desenvolvida pelo banco alemão KfW. Ela deve começar a ser usada a partir de maio, em algumas operações do Fundo Amazônia.

O Fundo, que foi criado para apoiar iniciativas de preservação da Amazônia brasileira, é gerido pelo BNDES, mas seus principais patrocinadores são países europeus. A ideia é que a moeda virtual possa ser usada pelos tomadores de crédito do BNDES para pagar seus fornecedores e que possa ser totalmente rastreada. Vamos acompanhar e torcer para que o sistema traga mais transparência às operações do banco.

E no Japão, as corretoras de moedas virtuais não estão com muita sorte. Na última semana, uma exchange chamada Zaif, chegou a oferecer Bitcoins de graça por 18 minutos. Pois é, o sistema enlouqueceu e por conta de um bug e um Bitcoin chegou a valer zero iene por lá. Seria um sonho adquirir um Bitcoin por nada, já que a moeda virtual está valendo cerca de US$ 9.500,00 neste sábado (24).

Alguns clientes da Zaif tentaram se aproveitar da situação. Um deles, inclusive, tentou vender os bitcoins, digamos assim, adquiridos por zero iene durante a brecha e sacar o equivalente a 20 trilhões de dólares.

Bom, somando esse incidente ao recente roubo de US$ 530 milhões de dólares em tokens digitais da corretora japonesa Coincheck, o governo japonês anunciou, no começo de fevereiro, examinar mais a fundo a estrutura de governança de 12 empresas que negociam criptomoedas. Uma delas, segundo fontes do jornal Japan Times, é a Tech Bureau, controladora da Zaif, essa mesma que ofereceu bitcoins de graça.

Diante da situação, as corretoras de criptomoedas registradas pelo governo japonês decidiram formar um órgão autoregulador. A partir de abril, a entidade vai estabelecer regras sobre temas como segurança e propagandas feitas pelas corretoras por lá. E quem não entrar na linha sofrerá penalidades.

Ah! E aqui vai um recado importante sobre Bitcoins e o Imposto de Renda. O download das declarações do Imposto de Renda Pessoa Física 2018 começam na quinta-feira, dia 1 de março, e quem tem investimentos em Bitcoins ou em outras moedas virtuais precisa declarar. Vamos falar mais sobre isso na próxima semana.

Mande sua dúvida ou seu comentário. Escreva pra gente aqui no post ou pelo e-mail ibolso@letraselucros.com.br . Até a próxima!

CONTINUAR LENDO

A moeda virtual do BNDES e o bug do Bitcoin grátis
Baixar podcast 1 0